O e-mail

Um homem que estava desempregado, entra num concurso da Microsoft para ser faxineiro. O Gerente de RH (Recursos Humanos) o entrevista, faz um teste (varrer o chão) e lhe diz:
`O serviço é seu`; me dê seu e-mail e eu lhe enviarei a ficha pra preencher, e a data e hora em que deverá se apresentar para o serviço.` 
O homem, desesperado, responde que não tem computador, e muito menos, e-mail. O Gerente de RH, disse que lamenta, mas se não tiver e-mail, quer dizer que virtualmente não existe, e, como não existe, não pode ter o trabalho.
O homem sai desesperado, sem saber o que fazer; somente tem dez reais no bolso. Então decide ir ao supermercado e comprar uma caixa de 10 quilos de tomates. Bate de porta em porta vendendo os tomates a quilo, e, em menos de duas horas, tinha conseguido duplicar o capital. Repete a operação mais três vezes e volta a casa com 60 reais. Então, ele verifica que podia sobreviver dessa maneira, sai de casa cada dia mais cedo e volta a casa mais tarde, e assim triplica ou quadruplica o dinheiro a cada dia. Pouco tempo depois, compra uma Kombi, depois troca por um caminhão e pouco tempo depois chega a ter uma pequena frota de veículos para distribuição. Passados 5 anos, o homem é dono de uma das maiores distribuidoras de alimentos do Brasil. 
Pensando no futuro da sua família, decide fazer um seguro de vida. Chama um corretor, acerta um plano e quando a conversa acaba, o corretor lhe pede o e-mail para enviar a proposta. O homem disse que não tem e-mail. Curioso, o corretor lhe disse: `Você não tem e-mail e chegou a construir este patrimônio, imagine o que você seria se tivesse e-mail!`. O homem pensa e responde: `Seria faxineiro da Microsoft!!`

Moral da história:
1) A Internet pode facilitar, mas não soluciona sua vida.
2) Se você quer ser faxineiro da Microsoft, procure ter um e-mail.
3) Se você não tem e-mail e trabalha muito, pode prosperar.

12:57 07/01/2015Admin



Enquete

Nesse ano, o movimento de ‘Reforma Protestante’ que deu inicio a uma nova fase do Cristianismo completa 500 anos. Em sua opinião, para corrigir os atuais desvios doutrinários de hoje, o que seria necessário?